Saiba como as suas decisões afectam o relacionamento com os seus filhos




Hoje, ao conversar com um amigo meu e em tom de desabafo ele disse-me “a minha sobrinha de 5 meses está a passar por uma fase dificil. Não come, os pais não sabem o que fazer, nem os médicos. Esteve internada 4 dias a soro e não encontraram uma explicação. Não sabem o que fazer.
A minha pergunta foi “o que está ela a dizer aos pais repetidamente que eles não estão a conseguir perceber?

Consigo compreender e ler o desespero dos pais pois vivo aquilo que digo. Quando a minha segunda filha nasceu, estive aproximadamente 6 meses a viver esta situação. Uma situação de impotência, declaração assumida por mim na fase do efeito que apenas mudou, melhor, progrediu, para uma situação de consciencialização, declaração assumida por mim na fase de estar em causa, de ser responsável pelos meus actos.


Passo a explicar: está cientificamente provado que nós somos o reflexo do nosso grupo de influência, seja ele a nossa família, amigos ou colegas de profissão.
Está também provado cientificamente que num processo de comunicação, o que dizemos conta 7%, a forma como o dizemos conta 38% e o que fazemos conta 55%.
Se o que fazemos através da nossa linguagem corporal é aquilo que emitimos maioritariamente para quem nos rodeia, e quem nos rodeia são os nossos filhos, então o que lhes estamos realmente a passar? Que processo de influência é o nosso?
Como todos sabemos, as crianças no seu processo de crescimento, revelam-se como esponjas de aprendizagem, abertos a todos os estimulos, visuais, auditivos e cinestésicos, a qualquer tipo de informação, a qualquer forma de reagir positivamente ou negativamente dos seus grandes influenciadores: os pais.

Assim, compreendi há uns tempos atrás, que a forma que a minha filha tinha de reagir aos estimulos que eu lhe dava, era de completa falta de apetite.
Compreendi que a excitação e ansiedade que eu pensava que escondia, na realidade eram as primeiras coisas que ela absorvia.
Compreendi que aquilo que eu fazia e demonstrava era muito mais importante do que aquilo que eu lhe dizia.
Compreendi que o comportamento da minha filha era apenas um reflexo do meu comportamento.
Compreendi que ela precisava de uma resposta imediata, e que essa resposta tinha-a eu.
Compreendi que eu tenho essa responsabilidade como pai, e responsabilidade, é apenas e só, a habilidade de responder.


Estou muito grato à minha filha por me ensinar lições de vida tão importantes e por permitir que eu as passe a muitos pais, empresas e particulares, pois essa é a minha profissão. Através de palestras, workshops e cursos, ensino pessoas a assumirem a responsabilidade das suas vidas. Porque a mudança... começa em nós.

Para saber mais informações sobre Workshops e aconselhamentos consulte http://www.lifetraining.com.pt/

Fonte: Mário Caetano - pai de duas meninas e formador da Life Training - mario.caetano@lifetraining.com.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pela sua partilha